GEORGE SOROS – UM NAZISTA A SERVIÇO DA MORTE

GEORGE SOROS – UM NAZISTA A SERVIÇO DA MORTE

“Se alguém deve ser julgado perante o Tribunal Penal Internacional, sob acusações de genocídio e crimes contra a humanidade, é George Soros. Não só Soros conduziu ataques assassinos especulativos contra as nações do setor em desenvolvimento, causando inúmeras mortes. Por sua própria admissão, em suas próprias palavras, e nas palavras de seu próprio pai, George Soros foi um participante ativo no Holocausto, como um colaborador nazista na Hungria.” (Perfedy, 1961 – Bem Hecht).

“Quando jovem, em Budapeste, George Soros era um mensageiro para o Conselho Judaico, a organização nazista que dirigia a comunidade judaica, controlado por Adolf Eichmann, o homem conhecido como o “arquiteto do Holocausto”, que estava encarregado da deportação em massa dos judeus da Polônia e Hungria para os campos de extermínio.

Eichmann chegou a Budapeste no início de 1944, para tomar conta da eliminação dos judeus húngaros. Antes de Eichmann partir, 430.000 judeus húngaros haviam sido condenados à morte.

Em 1960, agentes do Mossad israelense sequestraram Adolf Eichmann na Argentina e o levaram a Israel para ser julgado como criminoso de guerra, Foi condenado à morte, e executado em 1962.

Em seu livro de memórias de guerra de 1965, “Masquerade-Dancing Around Death na Hungria ocupada pelos nazistas” , o pai de George Soros, Tivadar Soros, dedicou um capítulo inteiro ao Conselho Judaico e o envolvimento de seu filho.

“Quando a perseguição sistemática dos judeus começou”, escreveu Tivadar Soros, “não foi realizada pelos alemães, nem por seus lacaios húngaros, mas – mais surpreendentemente – pelos próprios judeus.”

Uma das primeiras coisas que os alemães fizeram foi criar o que chamaram de Conselho Judaico, formado pelos líderes da comunidade judaica, e os membros do Conselho foram pessoalmente responsáveis pela implementação das várias medidas alemãs relativas à população judaica, em recompensa.

Tivadar Soros descreveu o papel de seu filho George:

“Como os judeus não podiam ir mais à escola e seus professores não podiam ensinar, eles foram ordenados a se apresentarem à sede do conselho. As crianças foram alistadas como mensageiros sob o comando de seus professores. No segundo dia, ele voltou para casa às sete da noite.”

Tivadar Soros observou que George estava começando a gostar de sua carreira como mensageiro do Reich, e a encarava como uma grande aventura”.

George Soros passou a adotar a identidade do afilhado de um funcionário húngaro de nível médio, responsável pela confiscação da propriedade judaica de judeus ricos enviados para Auschwitz.

Em pelo menos duas entrevistas televisivas, em 1994 e 1998, Soros admitiu livremente sua colaboração nazista e declarou que não sentia culpa por suas ações, nem pelo extermínio de quase meio milhão de judeus húngaros.

De fato, em suas próprias palavras, George Soros admitiu em sua introdução ao livro de seu pai:

“É uma coisa sacrílega dizer, mas esses dez meses [da ocupação nazista] foram os momentos mais felizes da minha vida … Lideramos Uma vida aventureira e nos divertimos juntos. ”

P_elas suas atividades, George Soros, como colaborador da máquina de extermínio nazista, encabeçada por Adolf Eichmann, já deveria de há muito ter sido submetido ao Tribunal Penal Internacional, mas a mão invisível que comanda o Partido Democrata Americano nunca permitiu.

“Lyndon LaRouche descreveu Soros como um “caso de perfídia”, precisamente o tipo de comportamento criminoso que o autor Ben Hecht denunciou e expôs em seu livro Perfídia , uma exposição de 1961 dos judeus que foram mortos por Eichmann.

Mas Hjalmar Schacht, o banqueiro que foi o padrinho de Soros, juntamente com o Banco da Inglaterra, dirigido por Montagu Norman, do genocídio nazista, foi libertado depois da guerra.

George Soros, é cúmplice dos crimes nazistas e, como tal, deveria ser julgado, afirma Lyndon LaRouche.

George Soros hoje é um dos maiores líderes do Partido Nazista, camuflado sob a flâmula denominada de “Club Bildeberg”.

Por Geraldo Freire